A saída do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pressionado pelo PT de Lula, que vem, reclamando o coitadinho de perseguição da Polícia Federal e do Ministério Público, provocou a indignação dos delegados da PF manifestando que não irão permitir qualquer interferência defendendo a independência funcional e garantindo, embora pressionada, a autonomia dos trabalhos na condução das investigações criminais. Pois é, trata-se de uma polícia de Estado e não de governos e muito menos de partidos, como vem enaltecendo a Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal. Com certeza nesse meio político/partidário a atuação da PF é uma pedra enorme no sapato dessa gente inescrupulosa.