Há mais de duas décadas o ex-governador Leonel Brizola propunha o comprovante impresso da urna eletrônica. Transparência. Agora o Congresso percebeu a importância e derrubou o veto da presidente Dilma. Fica valendo o registro impresso de cada voto, que será depositado em local lacrado, sem contato manual do eleitor. Como expressou o senador Dalírio Beber, “felizmente o bom senso predominou e teremos garantidos uma eleição cada vez mais transparente. É um avanço na reforma política.” Na era dos hackers porque apenas a urna eletrônica é inviolável?