A iniciativa partiu da Assembleia, que logo em seguida os demais Poderes adotaram a mesma prática, ou seja, não pagar abono natalino este ano. O argumento é a crise. Mas se trata de uma tradição na verdade contestável embalada por um privilégio que destoa da realidade do cotidiano do brasileiro. Brindes financeiros que eram abastecidos pelos cofres públicos. Uma festa com dinheiro alheio, pois ele pertence a todos nós. Pois então, aproveitem a crise e coloquem o bom senso nos trilhos.