Fica claro que o sistema político eleitoral do país está completamente contaminado e comprometido. Não é de hoje que se observa que campanhas são vencidas quando abarrotadas de dinheiro. E na imensa maioria esse dinheiro vem carimbado com ilegalidades ou acordos pós eleitorais. Ou seja, será cobrado com juros, correções e benefícios. A lista dos duzentos políticos atendidos pela contabilidade corrupta da Odebrecht revela os atalhos existentes à margem da legislação. Desta vez, a operação lavajato que vem descortinando a sujeira no universo da política repugnante atingiu Santa Catarina colocando num plano de suspeição inclusive o governador Raimundo Colombo que sempre se mostrou avesso a qualquer conversa torta ou atendimento fora das fronteiras da correção. Sempre em seus pronunciamentos se diferenciou de outros políticos por questionar atitudes e comportamentos daqueles que detém o poder. Agora passa por um momento em que terá que se explicar e por mais que o faça ficará numa situação delicada. Embora se reconheça que há dois tipos de beneficiários nessa imundice da política, sendo um deles atingido pelas imposições do sistema e outro envolvido pela corrupção.