Nos próximos cinco meses a Fatma estará debruçada na produção do Código Ambiental de Santa Catarina. A bem da verdade o trabalho já começou. A meta é condensar todas as leis existentes a fim de ordenar o segmento. A aprovação final caberá à Assembléia Legislativa. Qual a razão? Dar garantias jurídicas ao licenciador e ao empreendedor. Hoje existem várias interpretações que acabam represando projetos e ao mesmo tempo colocando na berlinda os organismos de fiscalização. Em síntese o código teria a função de arrumar a casa. As primeiras consultas estão sendo financiadas pelo banco alemão KFW. O presidente da Fatma, Carlos Kreuz, reconhece a dificuldade em completar o trabalho em tão pouco tempo, mas se trata de uma exigência do governador Luiz Henrique, que ele garante será cumprida. O Código Ambiental do Rio Grande do Sul, só para ser ter uma idéia, levou praticamente dez anos de discussão.