Os vinhos serão atingidos e também as bebidas chamadas quentes. Quanto ao vinho tramita no Congresso, faz alguns anos, um projeto mudando o imposto classificado de bebida alcóolica para alimento, a fim de tornar o produto nacional mais competitivo. O ex-senador Casildo Maldaner era um dos grandes defensores. Com certeza elevaria o consumo e a qualidade do nosso vinho e espumante. Mas o que vai acontecer é um aumento de 6% ano que vem. A cachaça de 17%. Dá-lhe impostos.