Durante o Fórum Tradetur, realizado ontem em Florianópolis, ficaram claras as duas deficiências aqui no Estado: mobilidade urbana, atingindo alguns importantes centros turísticos e a capacitação de mão de obra especializada. Aqui tem preço, mas falta no contexto geral serviço. Poucos se sobressaem. E coube ao secretário do Turismo, Filipe Melo, sublinhar uma realidade que coloca Florianópolis numa situação inferiorizada as demais cidades onde estão havendo avanços significativos no turismo. Floripa e os entraves ambientais impedem até a colocação de cadeiras na praia, mesmo com ordenamento e fiscalização. É a cidade do “não pode.” A torcida é que pelo menos a marina na beiramar avance…