De um lado o vereador Vanderlei Lela Farias do PDT afirmando que a lentidão nas obras do elevado do Rio Tavares se deve a falta de um projeto estrutural denominado “cimbramento,” que faz a escora das bases de concreto, do outro o secretário de Obras, Rafael Hahne, destacando que esta etapa se transformou num desafio por conta do solo que sofreu alterações exigindo tratamento especial. E afirma que apesar dessas dificuldades já esperadas não haverá atraso no cronograma de obras. E contesta o vereador garantindo que não se trata da falta de projeto específico. Entre o lá e o cá o certo é que a obra, fundamental para a região, está em ritmo mais lento. Isso é um fato, detalhado pelo vereador do PDT. Mas segundo o secretário a engenharia detecta problemas e encontra soluções. Tomara.