Quando acontece um episódio como o da operação moeda verde rapidamente se observa uma certa satisfação popular. Foi o que aconteceu. Por quê? Neste país o que se observa são pessoas ingressando na administração pública e em pouco tempo ostentando independência financeira, muito distante da realidade em que viviam. Enriquecem facilmente, e, fica por isso mesmo. Fora deste ambiente surgem as dificuldades e os obstáculos comuns para a infinita maioria. Na Europa, por exemplo, para se ganhar dinheiro há naturalmente espaço, mas não é fácil se tornar independe em poucos anos só se for beneficiado por uma herança de famílias que levaram décadas para ascender financeiramente. Ou através da sorte, quem sabe. Aqui é num pulo. Hoje os mais abastados saem das esferas da política ou das celebridades por 15 minutos. Sem contar dos carimbados pela ilegalidade, é claro. A imensa maioria vive exclusivamente do trabalho, do pagamento de impostos, das mazelas do cotidiano, driblando contas e afazeres, e acompanhando como espectador avanços ilegais sustentados pela impunidade. Por isso quando assistem ações que colocam no banco dos réus alguns suspeitos que emolduram este cenário, onde deveriam atuar como representantes do povo, aplaudem por se sentirem em parte atendidos e respeitados. Essa imensa maioria se sente, como os pobres e miseráveis, excluída sem perspectivas futuras.