Embora apenas tenha começado o ano e o mandato de presidente da Assembleia só termine em fevereiro do 2017, já há movimentações internas sobre o sucessor de Gelson Merisio, ou quem sabe sucessores. De repente o mandato seria dividido. E a reação do PMDB se deu quando soube que havia indícios de que ficaria entre PP e PSDB. O progressista na cabeça da lista é o atual líder do governo, Silvio Dreveck. Entre os tucanos estão Leonel Pavan e Marcos Vieira. Um ano para cada um. Lideranças peemedebistas apostavam nos nove votos do PSD somados aos 10 do PMDB. Os outros dois buscariam. Caso não ocorra, o partido irá disputar para se posicionar destacando que é a maior bancada e rechaçando de que estará no governo nesse período. “Por que agora pode PSD na presidência da Assembleia e PSD no governo do Estado?” A pergunta é do vice-presidente do PMDB, Valdir Cobalchini, afirmando que ainda há muito água para rolar, mas demonstrando que o partido vai brigar por essa posição no tabuleiro da política.