A sugestão é do presidente da Associação Catarinense do Ministério Público, Rui Carlos K. Schiefler: ?Como se está tentando mexer na legislação penal para punir com mais rigor crimes praticados contra juízes, promotores e policiais, há que se aproveitar essa boa intenção para igualmente tipificar como mais graves ou prever como agravante, condutas ilícitas praticadas por esses mesmos agentes públicos.? Destaca Schiefler que é muito ou mais grave um juiz, um promotor ou um delegado praticar um crime do que outra pessoa. -Na página Artigos o presidente da Associação Catarinense do Ministério Público expõe com mais detalhes seu ponto de vista diante da prisão de desembargadores, promotores, procuradores, policiais e advogados.