Colocando a carreta na frente dos bois, o PMDB na Presidência da República provocará reflexos aqui no Estado? Segundo lideranças do partido haverá, pela representatividade, uma participação no governo federal. E a pergunta que formulam, essas mesmas lideranças, é para onde irá o PSD. Continuará com o PT ou dará uma guinada? Isso no âmbito nacional, porque no estado, acreditam que ficará onde está apenas invertendo os postos em 2018, PMDB para o governo, PSD de vice. Mas onde estará o PSDB, que certamente será o grande aliado do PDMB no Planalto? É claro que neste momento trata-se de um movimento de futurologia. O que vem timidamente sendo avaliado é que o vice Michel Temer não tem força política suficiente para tocar o país, com suas mazelas e ansiedades a não ser estabelecendo uma ampla coalizão visando um projeto de recuperação econômica e política. Dentro do próprio PMDB há os que afirmam que não será um governo peemedebista, mas de vários partidos voltados ao país, até porque se Michel assumir com os “amigos” será o mesmo que trocar seis por meia dúzia. Mas tudo isso é prematuro dependendo de um veredito que decrete o impedimento da presidente Dilma. Embora nos bastidores essas conversas estejam em ebulição…e as atenções votadas ao STF que estabelecerá quarta-feira o rito dos trabalhos.