Pois é, a Abrasel, que representa os proprietários de bares e restaurantes de Santa Catarina, considerou que o turista estrangeiro foi o principal fator para o sucesso da temporada. Uma parte dos entrevistados destacou que esses turistas gastaram muito menos do que em anos anteriores, além de considerar o poder aquisitivo dos clientes menor. Pois é, do lado dos turistas a maior reclamação foi a alta dos preços. A maioria se concentrou nos altos custos cobrados por bares e restaurantes. Essa reclamação na verdade liderou entre as críticas feitas pelos visitantes que passaram pelo litoral catarinense e Florianópolis, seguido da mobilidade, que indiscutivelmente está sendo um dos grandes desafios das administrações públicas. O Plamus na Grande Florianópolis, que visa enfrentar com uma infinidade de ações a “imobilidade”, não pode ficar apenas nas boas intenções e base para discursos ilustrativos. Tem que sair do papel para que os entraves no trânsito não se transformem em obstáculos para o turismo. Mas voltando a questão dos cardápios apimentados, a defesa do setor é de que a alta carga tributária passou a exercer uma forte influência nos preços cobrados. Com certeza, somados aos insumos, cada vez mais caros, os reflexos atingindo o bolso do consumidor são definitivos. É um problema para o segmento. Mas lamentavelmente há ainda uma forte cultura de levar vantagem e aproveitar o momento explorando e não conquistando o turista. E o mais complicado é que depois que vão embora o preço estratosférico continua, só que daí onerando os moradores.