Não é de hoje que conversas de bastidor envolvem a venda da RBS de Santa Catarina. Abordei este tema ontem em minha rede social pessoal, de que teria sido concretizada a venda da operação aqui no Estado para o investidor Lirio Partisotto, que está entre os 600 empresários mais ricos do mundo. Um assunto que já era recorrente nos meios empresariais e políticos, inclusive com a possibilidade da Globo comprar, mas que não foi efetivado. Confirmada essa transação, com Parissoto, estará sendo fechado um ciclo por parte da RBS de praticamente 40 anos de atuação nos meios de comunicação de Santa Catarina. E fica evidente que o empresário Lírio Parisoto, que é natural de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, estará aumentando seus investimentos aqui no Estado onde é um dos principais acionistas da Celesc. A RBS, por sua vez, em nota oficial objetiva negou a transação comercial afirmando que continua operando normalmente em Santa Catarina. Claro que por trás de uma venda que se comenta o envolvimento de mais de R$ 700 milhões haja uma série de interesses e implicações, inclusive, pelo fato se tratar de uma concessão pública que exige anuência dos concessionários, ou seja, de autorização do governo federal. Sem entrar em detalhes nas repercussões de mercado, trata-se de uma empresa de comunicação com uma história trocando de mãos. Vamos aguardar o desenrolar dos fatos…