A passagem da presidente Dilma Rousseff pelo Congresso ontem abrindo os trabalhos legislativos, avaliada pelo senador Renan Calheiros como um gesto sinalizando para a abertura de diálogo, revela isso sim, que a presidente está vendendo a alma se necessário para garantir sua permanência no poder. É a segunda vez, desde que assumiu o comando do país, que entrega a mensagem do Executivo pessoalmente. A primeira foi em 2011. Agora além de uma aproximação de sobrevivência tenta atrair apoio para a aprovação da CPMF, considerada em sua mensagem como uma das soluções para a superação da crise econômica, que ela mesma construiu. Ou seja, apresenta como prioridade o ressurgimento de mais um imposto, derrubado em 2007, revelando a incapacidade de recuperar a confiança dos investidores e derrotar a crise econômica que começa a fazer estragos em todo o país. E o mais lamentável numa mensagem de abertura de trabalho legislativo o ponto fundamental é o aumento da carga tributária. Estamos de mal a pior.